quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

um agradecimento necessário


Obrigado à Dona Conceição, ao Sr. João e a todos os auxiliares, monitores e funcionários que permitiram que os ATL funcionassem tão bem e que, ao longo do ano, tanto ajudam ao bem-estar das crianças e dos pais, com uma paciência infinita e sempre com um sorriso e uma palavra de boa disposição.

PS: uma pergunta: como é que conseguem, em "cinco minutos", saber o nome de todas as crianças e dos respectivos pais? É obra!

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Feliz Natal!

Bom Natal para todos. Alunos, pais, professores, auxiliares, voluntários, enfim, para TODOS sem excepção.

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Interrupção Lectiva no Natal

As actividades a desenvolver no âmbito do Apoio à Familia que a APEE vai levar a efeito, decorrerão no edifico do 2º Ciclo, encontrando-se o edificio da EB1 encerrado neste período.

Os pais deverão assim levar as crianças directamente para o referido edifico bem como, no final recolhê-las também lá.

A direcção

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

a verdade sobre a origem do Natal


As crianças vivem o Natal e as famílias tornaram-no na "sua festa". Há dias ouvi uma discussão sobre a legitimidade de as pessoas não cristãs comemorarem o Natal (associando esta atitude, por parte dos não crentes, ao consumismo "desenfreado").

É bom, porventura, saber quais as origens do Natal, um feriado comemorado a 25 de Dezembro nos países "ocidentais", mas no dia 7 de Janeiro nos países eslavos e ortodoxos. A data do Natal nada tem a ver com o dia real do nascimento de Jesus e a escolha deste dia teve mais a ver com festas romanas ou com o solstício de inverno.


De acordo com o almanaque romano, a festa do Natal já era celebrada em Roma no ano 336 d.C., altura em que as igrejas ocidentais passaram a adoptar o dia 25 de Dezembro para o Natal e o dia 6 de Janeiro para a Epifania (que significa "manifestação") e em cujo dia se comemora a visita dos Magos. Como estes é que, segundo a lenda, trouxeram os presentes para o Menino, em vários países, como em Espanha, a troca de presentes só é feita neste dia.


A adopção do 25 de Dezembro pela Igreja Católica teve como objectivo a "cristianização" de uma festa que era pagã (depois de uma fracassada tentativa de a proibir - no século XVII, quem não trabalhasse no dia 25 de Dezembro era multado!) - em Roma era a festa do "sol invencível" (Natalis Invistis Solis)- período de alegria, comunhão e troca de presentes. Já os Judeus tinham uma troca de presentes entre familiares e amigos à roda do dia 23 de Dezembro e a 25 havia a celebração de Mitra, o deus do Sol e da Virtude, na Pérsia.

A troca de presentes e de cartões, a Ceia de Natal, músicas referentes à quadra e refeições especialmente enriquecidas, bem como decorações diferentes, incluindo as árvores de Natal, luzes e grinaldas, visco, musgo, nada têm a ver com a religião. O Pai Natal, aliás, tem origem na lenda de São Nicolau... um santo bem pagão na maneira de estar na vida.

É bom que as crianças, independentemente da sua religião, origem, etnia ou crenças, saibam a verdade dos factos... para quando crescerem não dizerem "barbaridades" dessas, "que o Natal é só de um grupo e que os ´outros´ que o comemoram são usurpadores"...

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Pais: que tal darem um presente de Natal para a Escola?


Pois é, Pais: que tal dar um presente de Natal à Escola, para apoio na aquisição de materiais para o laboratório de matemática (e eventualmente para outras actividades, se a vossa generosidade assim o determinar)?

Muitos de vós desconhecem, mas no âmbito do Plano de Acção da Matemática uma das grandes novidades deste ano lectivo é a activação de um laboratório de matemática. O laboratório está ser montado com materiais que a escola vai adquirir através do PAM. Mas o dinheiro não é muito, e seria uma forma de enriquecermos o projecto e alargarmos as oportunidades de aprendizagem que são oferecidas aos nossos filhos.

O desafio é assim que cada um se assuma como Pai Natal contribuindo para CONSTRUIR ESCOLA e FAZER o FUTURO para os nossos filhos. Com um grande abraço Natalício e desde já agradecendo a Oferta, pedimos que coloquem em envelopes fechados e anónimos o vosso donativo, e que este seja entregue aos professores titulares até ao fim desta semana.

Em nome da Direcção da Associação e sobretudo de todos os meninos

Feliz Natal

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Interrupção Lectiva de Natal do 2º Ciclo


Caros Pais

A Associação de Pais da EB1 S.João de Deus, no âmbito do Protocolo de ATL para o 2.ª Ciclo, organizou um Programa de Actividades de Natal a desenvolver nas próximas Férias escolares do Natal 2010. Nestas férias as Actividades de Tempos Livres funcionarão nos dias 20, 21, 22, 23, 27, 28, 29 e 30 de Dezembro, entre as 8h30m e as 18h30 (para os pais interessados será possível contratualizar o prolongamento das actividades até às 19h), com propostas diversificadas, nomeadamente saídas ao circo, ao cinema e à Culturgest e actividades na escola (ateliers diversos, teatro, desporto, etc). O custo será de 65€, independentemente dos dias de frequência.

Recordamos que, para a frequência do Programa de Actividades de Natal, as crianças que não frequentam o ATL terão que proceder à inscrição anual no valor de 25€.

Informamos que as inscrições estão abertas até ao dia 15 de Dezembro, nos serviços administrativos da APEE, entre as 17:30 e as 18:50.

Claro que para o 1º Ciclo decorrerão nos moldes tradicionais estas interrupções lectivas e com o valor de 33,00€ (por via da comparticipação da CML)

Quadro de actividades (1º e 2º ciclos):

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

e o Fernando Pessoa veio à Escola!

É verdade. Foi mesmo ele. Chegou, passeou-se entre as crianças, disse poemas, quis agradecer todo o entusiasmo que os alunos, os professores e a Escola dedicaram à sua pessoa e à sua obra.


Em nome da APEE queremos agradecer ao Fernando Pessoa, poeta, e também a este seu heterónimo novo, o Zé Coelho, que permitiu este grande momento.


HAVIA UM MENINO

Havia um menino,
que tinha um chapéu
para pôr na cabeça
por causa do sol.

Em vez de um gatinho
tinha um caracol.
Tinha o caracol
dentro de um chapéu;
fazia-lhe cócegas
no alto da cabeça.

Por isso ele andava
depressa, depressa
p’ra ver se chegava
a casa e tirava
do chapéu, saindo
de lá e caindo
o tal caracol.

Mas era, afinal,
impossível tal,
nem fazia mal
nem vê-lo, nem tê-lo:
porque o caracol
era do cabelo.